PARA PENSAR
“A menos que abramos as portas de nossas casas uns aos outros, a realidade da Igreja que Jesus edificou como sendo uma família de irmãos e irmãs amorosos é apenas uma teoria”

"Desinstitucionalizados sim, desigrejados jamais, desviados nunca. Somos a igreja de Cristo “juntamente com todos os que, em toda parte, invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso.” (1Co 1.2)" Por seu Reino!

Se alguém comemorou o Dia da Reforma Protestante exaltando a Lutero e sua obra e luta, mas condena os "desigrejados" de nossos dias, esse alguém não entendeu nada!

sábado, 12 de julho de 2014

Algumas razões para não atacarmos as denominações





Algumas pessoas me perguntam se mudei minha “linha editorial”. Penso que não. Continuo com as mesmas opiniões de antes no tocante ao sistema eclesiológico tradicional. Apenas entendo que há um tempo para tudo. Há um tempo para “arrancares e derribares, para destruíres e arruinares; e também para edificares e plantares” (Jeremias 1:10). Neste exato momento, penso que não é sábio nos posicionarmos de maneira antagônica às denominações e sinto que estamos no tempo de “plantar e edificar” (que nossa prática seja nossa mensagem).
Primeiro porque todo período de transição é como uma ponte que deixa remanescentes dos dois lados do rio. Devemos saber trabalhar com esse fator porque quando nos colocamos abertamente contra as denominações (como alguns têm feito) involuntariamente estamos nos colocando contra o Corpo de Cristo nestas instituições. Por mais que queiramos separar as coisas em nossa mente, as estruturas e alguns crentes são como unha e carne e quando batemos demasiadamente na instituição, acabamos criando mortos e feridos desnecessários. Que não nos adiantemos com relação ao Senhor no trato com as igrejas tradicionais.
O segundo fator é que anos se passaram, Frank Viola já escandalizou e arrebentou com a bolha de muito crente, muitos líderes institucionais estão entendendo a mensagem do Evangelho Simples e discretamente aplicando-a em maior ou menor intensidade em suas comunidades locais. Assim, faz-se desnecessário dizer que o Senhor ainda trabalha por meio das instituições religiosas, não por causa delas, mas apesar delas. Devemos reconhecer que muitas das comunidades alternativas que têm emergido ainda estão em “fase experimental” e padecem pela falta de uma “eclesiologia definida”, biblicamente falando. Se livraram de muitas coisas ruins do “sistema”, mas ainda não sabem o que colocar no lugar, razão pela qual algumas comunidades denominacionais – dinâmicas – funcionam melhor em cumprir o propósito Eterno de Deus do que muitos grupos caseiros que ainda parecem estar buscando o fio da meada. Então, antes de sair por aí metralhando todo mundo, um minuto de humildade, por favor.
RESUMINDO, penso que devemos continuar o diálogo sobre a eficácia de modelo A ou B porque sem informação não há revolução. Mas o façamos de maneira humilde e respeitosa, sem esse “manto messiânico” sem vergonha, e sem esses discursos “apocalipticos” cheios de generalismos negativos que mais cheiram a auto-promoção do que profecia. No atual “kairós”, penso que ganhamos muito mais se nossa mensagem for mais construtiva, no sentido de se mostrar na prática o melhor caminho a ser seguido, do que tecer seguidas críticas com relação aos erros da denominação. Isso é o que eu tenho sentido. A crítica é necessária para tombar fundamentos equivocados, mas creio que já é tempo de estarmos mais abertos para caminhar com TODOS os irmãos em Cristo que de alguma maneira têm entendido a mensagem da simplicidade do Evangelho, sem nenhum pré-requisito que exija que esta pessoa seja 100% igual a mim. Acho que isso representa mais a forma como o Senhor vê a Igreja e aquilo que o Espírito tem dito nos últimos tempos. Minha casa está aberta, o pão está na mesa. O Corpo é de Cristo. Sem pré-requisitos.
© Pão & Vinho - Alguns direitos reservados.
Pode ser republicado, parcial ou integralmente, desde que o conteúdo não seja alterado e a fonte seja devidamente citada. Informações adicionais a respeito dos direitos do autor sobre o conteúdo desta página podem ser encontradas aqui.

Fonte: http://paoevinho.org/

3 comentários:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir
  2. Estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes, mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu.
    Como não passei aqui antes do Natal, e só agora me foi possível.
    Vim também desejar um Ano_Novo cheio de paz,saúde e grandes vitórias.
    São os votos do Peregrino E Servo.
    Abraço.

    ResponderExcluir